winter broadcast

Gregory Thielker matilde
@Gregory Thielker

 

Ouvi no rádio que este 19/01 é o dia mais triste do ano inteiro, seja lá o que isso for, mesmo que isso seja estúpido, sim isso é com certeza bastante estúpido, afinal algumas pessoas morreram ontem e esse acontecimento deve ser muito mais triste, morrer nos meses frios é sempre mais triste, outras pessoas por acaso até já pularam num trampolim esta manhã, ou leram a última página daquele texto que se chama El Milagro Secreto e vão ficar sonhando o dia todo com a bala suspensa que distende o túnel do mundo e o tempo dentro dele – isso é melhor que um bom café e manobra a concentração muito mais que um bom café, estar concentrado é algumas vezes o contrário de estar triste, portanto veja. Deu no rádio que hoje era um dia fixo, que talvez chovesse, que as temperaturas andavam disparadas e violentas, que era aniversário de um monte de gente incluindo Joplin e aquele famoso jogador de xadrez russo. Quero dizer que certas sombras no tecido fazem lembrar uma pele ou uma bandeira. Deu no rádio que o petróleo baixou de preço outra vez, tudo subindo e descendo o tempo todo, deu no rádio que alguns cientistas estavam enganados sobre o tamanho real de certos animais marinhos, alguém disse alguma coisa sobre o desejo mal colocado mas eu não ouvi, é janeiro, há milagres secretos se desvendando ainda, sempre um sul à nossa espera, um rosto branco à nossa espera, o sal grosso em nossas mãos, o universo físico parado e na ardósia do pátio uma abelha projetando uma sombra fixa, no banco de trás do automóvel uma criança pergunta se falta muito para chegarmos, chegaremos nalgum lugar, mais ou menos triste não importa, é só mais um dia agora, um dia de janeiro, virá fevereiro, março, setembro, virão rosas, as colunas de fumaça, a bravura em nossos rostos, o trampolim se rasgará, ou talvez não, chegaremos, chegaremos em breve.