tyr entre os matrinxãs

@Gregory Thielker

 

you’re so tired of being alone é o que diz

al green na tua timeline

 

é o que dizes num quartinho de hotel na cidade

que nos custa dez reais

por hora

 

a visão do teu corpo ainda flutua

sobre a avenida getúlio vargas e seus oitis

sobre o vermelho-romã

das águas cheias

de cauxi

 

às quatro da manhã

i’m so tired of being alone, também

 

mas do porto ao caos não leva tanto

do porto ao caos não leva tanto dos teus versos sáficos

não leva ao caos nem às catracas térmicas

e não leva

sobretudo

aos mercados de frutas neon onde nem lorca nem whitman

compram mais nada

 

não se vendem poemas aqui

nem pêssegos nem penumbras

nem obscuridades gratuitas

 

no quarto 108

não exercitas mais nada

muito menos os músculos

da tua alma

 

e como um jaraqui tentando ficar

nos banzeiros de um rio preto

ou num barco à motor

és o próprio tyr entre os matrinxãs

 

e como todos os seres maravilhosos

como Maximilian de Malmö

 

tens de morar a 2854 km dessa minha cidade triste e de suas partes de barco de mar

sem sol

onde faz frio e não temos as formas das nuvens

que o céu pulmonar da tua cidade-mãe tem

 

ao menos é o que dizem os avisos luminosos

 

é o que diz o teu corpo esculpido com runas nórdicas querendo ficar

 

é o que dizem os peixes do rio e os peixes do mar quando colocados contra a parede dum bar punk na periferia das grandes cidades do Norte

 

é o que diz dante tatuado em inglês

no teu abdome magro