olhos fósseis

cais_image3

 

 

 

penso em manias que se repetem em cada gesto do resto das vidas simples

penso em ângulos simples dos restos de gesto que os braços traçam

penso nos traços trêmulos das pernas retas

corto

penso em olhos foscos que se piscam em notas simples pelo fosso dos ossos

penso em restos simples das notas trêmulas do traço que abraça

penso nas notas fundas dos olhos retos

corto

penso em poços imundos habitados no fundo dos tempos outros de aqui

penso em tempos retos que deixaram os olhos fósseis piscar

penso na reta que não mais desvia reta

corto

penso nos mundos onde somos cada um imundos trêmulos rasos e profundos

penso em lugares que formam cada lugar que somos outros

penso em formas simples de pensar

corto

continuo pensando fósseis entre os ossos dos braços pernas e olhos fundos

penso na língua dos mortos que se calam formas simples de pernas retas

penso nos ossos que sobram gestos do medo de sobrar

penso em maneiras e manias de sobrar

corto

penso nos gestos que simplificam os hábitos sujos de permanecer

penso nos medos de cada dia ou noite que amanhece

penso em