coleção de discurso

@James Fee, Road Home

Faz tempo coleciono conversas. Gravo tudo o que dizem as pessoas no cotidiano. No caminho pra Caxias, nesse último sábado, registrei a fala do taxista que me levou até lá, e pela primeira vez decidi transcrever. O cara é uma máquina. A regra é fazer sempre nenhuma intervenção, a não ser uma única que fiz dessa vez porque não houve outro jeito. Caxias é um lugar de onde se veem aviões como se voassem virilhas de bichos imensos, arraias gigantes, decolagens e pousos muito de perto, tão bonitos, tão bonitos. Tenho fixação por aviões. Entrava em algum toda semana na infância e continuo entrando um bocado, por muita sorte. Mas vê-los voando de fora ainda me espanta como na primeira vez. Toda vez é a primeira. Pra quem conseguir chegar ao final do discurso do Glaucio, o taxista, há também uma canção que fiz de um poema da Alice Sant’Anna, com avião dentro. O discurso e a canção destoam feito turbulência em dia de sol sem nuvem nenhuma. É o que melhor acontece: os eventos absolutamente imprevisíveis da natureza. 

Com vocês, o Glaucio:

Quando eu vi que a mulher tava de onda com a minha cara, aí eu comecei a dar esporro na mulher, tudo que ela falava eu martelava, ela falava eu martelava, e vlap e vlap e vlap, e aí daqui a pouco ela cismou de falar que eu não podia falar daquele jeito com ela, eu falei: pois é, a senhora também não pode falar dessa forma comigo, eu não sou seu empregado, Mas tá me prestando um serviço, e eu falei: pois é, exatamente, eu tô lhe prestando um serviço, entendeu?, não sou empregado seu pra senhora tá falando dessa forma. Ih, nem era a blitz, ó, é obra. E tá a mulher e vlap e vlap e vlap e ela Eu, quando vir esse posto aí na frente, eu vou descer, e eu disse: que desça!, aí a mulher que tava do meu lado falou Não, moço, não para não, num sei quê, vamo lá, mandando eu relevar, eu falei: não senhora, não sou empregado dela não, entendeu?, eu tenho que preservar pela vida dela, pela segurança dela, entendeu?, e infelizmente, né, como a grande maioria pensa, taxista não é bandido. A prefeitura também pensa, que faz o que quer com a gente, entendeu? O presidiário, ele ganha lá um barão e num sei quantos lá por cada filho que ele tem quando ele tá preso, num sei o quê, e eu num ganho nada, a prefeitura ela me esculacha. Eu agora fiquei 20 dias em casa, esperando porque eu troquei o carro, eu fiquei 20 dias em casa porque a prefeitura simplesmente não queria liberar o cartão pra mim trabalhar, não só pra mim como pra, aham, todos os taxistas que tavam trocando de carro naquele momento assim como eu, entendeu?

Eu moro ali em Bonsucesso, ali naquele condomínio do lado de onde era a Poesi, onde era o ponto final do 312, no Itararé, né, então, quer dizer, eu num, ih, a mulher me esculachou, perguntou quantos anos de taxi eu tinha, eu falei 7, ela Tu num vai mais dirigir taxi, agora tu vê, como é que a mulher fala que eu não vou dirigir mais taxi, cara, maluca, ela me conhece? Ela é o quê? É mãe de político? – EM 300m GIRE À DIREITA EM RUA FREI VELOSO – pois é, né, então, quer dizer, porra, mermão, olha aí a blitz, que eu num falei que tinha a blitz?, entendeu?, então, quer dizer, é, é, fazendo babaquice com a gente, porra, mermão, palhaçada, aí, uma blitz essa hora, pra quê?, tão parando quem?, ó, ninguém, pra poder pegar dinheiro, aí, cadê o reboque pra levar quem tá errado?, nem o reboque tá parado ali, história, cara, olha eu vou te falar.

A minha mulher que fala Qualquer hora dessas tu vai explodir, eu falo: num vou nada, eu boto pra fora, explode é quem num discute, quem num fala, eu falo, entendeu?, num quero nem saber, mermão,  Ah, eu vou na prefeitura fazer uma queixa tua! uma outra outro dia… ué, pode ir, eu tenho direito de defesa, num é bem assim. Agora mermo eu tava no posto ali, os colega tarra falando, uma que aconteceu comigo outro dia, eu tarra saindo ali do posto, aí acabei de abastecer – EM 5,5 KM, MANTENHA-SE À ESQUERDA PARA ELEVADO RUFINO DE ALMEIDA PIZARRO – recebi um chamado da cooperativa, eu fui lá, tava indo no Leblon buscar uma dona e ia levar na barra, aí, nisso, me vem uma senhora bem de idade mermo e faz sinal pra mim, aí eu falei: senhora eu estou ocupado, Mas eu não estou vendo ninguém no teu carro!, eu falei: ah, a senhora não está vendo ninguém no meu carro por quê? Porque eu peguei pela cooperativa. É, não quer me levar porque eu sou velha, sabe que a corrida vai ser curta!, eu falei: o quê? Senhora, nada disso, eu sou taxista, eu realmente eu já trabalho na barra que é porque eu prefiro fazer corrida maiores, mas no momento eu estou ocupado, se a senhora me dá sinal aqui e eu estou livre, eu levo a senhora, sabe?, pra mim não me interessa qual o tipo de coisa, senhora, eu preciso trabalhar, entendeu?

Igual no seu caso agora, corrida pra Caxias, eu teria direito, que não é um direito, de cobrar 30% do retorno, mas uma vez o prefeito tirou isso, que não é ele que trabalha no taxi, né, num é ele que vai ter que ir pra Caxias agora e vai ter que voltar vazio, né, então pra ele dane-se, ele tirou, então eu faço o quê? Eu comento com a pessoa, se chegar lá no destino a corrida der 90, a pessoa quiser me dar 100, eu agrandeço, entendeu?, vou voltar um pedaço vazio. Se a pessoa chegar lá e falar não, moço, vou pagar o que der no relógio e ponto final, é a sua obrigação, o seu direito, tá bom. Agora, vou ficar brigando com os outros aqui?, entendeu?, ou mentindo?, falando, ó, tem que pagar 30% quando chegar lá, eu hein, eu não, o prefeito tirou, não posso dizer nada, queria saber só porque nenhum político anda de Corsinha, só Spin com direção hidráulica e ar condicionado, ah, vai pro caramba!

Aí, rapaz, a velhinha gritando comigo, aí daqui a pouco a velhinha vai pra frente do carro e começa a anotar a minha placa, eu falei: a senhora está anotando a minha placa, senhora? Estou! E vou fazer uma reclamação na prefeitura!, eu falei: ah tá, é… Só vou lhe dar um aviso porque, como diz o ditado, o quê? Quem avisa amigo é, aí eu vou lhe dar um aviso: eu tenho direito de ir lá e me defender, tá?, da sua reclamação. Então o que que vai acontecer?, eu vou lá, vou o quê? Me defender. Não vai acontecer nada contra mim. Só que eu vou chegar lá e vou querer saber o quê? O seu nome e tudo seu porque eu vou o quê? Lhe processar. Entendeu? A senhora está, sem motivo nenhum, a senhora está me fazendo uma afronta. A senhora vai me dar um custo porque eu vou ter que ir lá na prefeitura me defender, eu depois eu vou botar uma queixa contra a senhora, eu vou ter que contratar um advogado, isso vai me dar um custo, eu vou ficar mais dias parado pra me defender dessa injúria que a senhora tá cometendo contra mim, e eu estou lhe avisando porque isso vai lhe sair caro, porque o quê? Quem avisa amigo é. Entendeu? Só por isso. Então a senhora por gentileza pense duas vezes. Porra, gente, as pessoas tem que entender o quê? Que nem todo mundo é bobo, agora, as pessoas pensam o quê? Ah, não, eu tô lidando com esse cara, é um babaca. Não é assim não, gente. Não só no taxi, entendeu, as pessoas tem que respeitar em qualquer esfera.

Hoje em dia o que tem de polícia, de advogado, de médico dirigindo taxi, entende?, porque a coisa tá difícil, entendeu?, tá o quê? Complicado. Eu tenho um amigo dentro da igreja que a gente frequentava do lado ali da casa aonde eu moro… eu tô fugido, mas eu me considero evangélico, evangélico fugido, entendeu?, sabe por quê?, o que que acontece?, fazer qualquer coisa da forma certa não é fácil, independente do que você faça. Eu gosto de fazer as minhas coisas corretas. Se é meu o direito: eu quero, se é seu: eu respeito. Sabe? Então você estar na igreja realmente, estar e ser têm o quê? Diferença. Porque você tem muita gente que diz que tá na igreja, meu amigo, a vida do cara não condiz nem de, porra, um bandido, meu amigo, às vezes é melhor do que aquele cara que se diz evangélico. Então eu estava na igreja, andou acontecendo umas coisas que me desagradaram, algumas pessoas, é, o meu próprio cunhado me fez uma também que, porra, foi assim a gota d’água no oceano, né, já tinha chovido tudo e aquela gota ali o quê? Culminou na situação. Então o que que eu fiz? Eu saí da igreja. Entendeu? Porque é aquela história: você não pode, é, você não, é, – A 300M MANTENHA-SE A SUA ESQUERDA – ser o que você não é, entendeu?, se você é você é, se você não é você o quê? Não é. Entende? Então eu num vou ficar, né, botando aquelas camisa Ah, eu sou de jesus, ah, num sei o quê, Deus é bom, se eu – MANTENHA-SE À ESQUERDA PARA ELEVADO RUFINO DE ALMEIDA PIZARRO – não acredito mais. Mas de repente eu tô conversando com você, daqui a pouco eu o quê? Daqui a pouco eu caraca, olha quanto urubu, urubu filha das puta, né, isso acaba com avião, casa… aí você fala – SIGA EM FRENTE POR 7 MINUTOS ATÉ O (inaudível) – que evangélico é esse, né, então eu parei, sabe?, me aborreci, falei: quer saber?, vamo parar! Agora, continuo tendo a minha boa índole que sempre tive, que não é o cristão que tem que ter não, é todo mundo, entendeu?

Depois a gente fica assim, olha lá o cara que se diz evangélico e o cara bebe. Isso realmente é uma coisa que a gente da igreja costuma o quê? Fazer. A gente o quê? Não bebe bebida alcoólica. Ah, é proibido beber bebida alcoólica? Não é bem um proibido, a bíblia diz tudo é lícito, mas nem tudo lhe convém, entendeu?, então isso, até pra pessoa que é, como a gente costuma dizer, quem não é da igreja é do mundo, né, é, o cara que é do mundo, o cara que é macumbeiro, o cada que é adventista, a bebida alcoólica ela é lícita pra todo mundo, agora, o problema todo é que nem todo mundo sabe beber, então não fica legal prum cristão, prum evangélico, ficar bêbado na rua, né, então aquela história… como eu acho que não fica bem pra ninguém, né, num é bacana pra todo mundo. Você quer sair, você quer tomar a sua coisa, a minha mulher fica danada comigo que, né, eu passo por todo tipo de situações aqui no taxi, eu, não, né, o quê? Todos nós. Porque você, entra todo mundo, até eu gostei muito quando eu comecei a dirigir o primeiro taxi há 7 anos atrás, o rapaz que me entregou o carro ele me avisou ele falou assim: olha só, Glaucio, o truque pra andar no carro, Glaucio, é andar devagar. É andar na direita, que hoje já não é mais, né?, que hoje já não pode andar nas pista da direita mais, né?, na Barata Ribeiro, na Voluntários, agora tem que andar na esquerda, aliás até pode andar mas não pode parar, né, Então ele me ensinou Glaucio, o truque do taxi é andar devagar e ser educado com as pessoas, tá? Dentro do teu carro vai andar cristão, vai andar padre, vai andar puta, vai andar, sabe?, todo tipo de gente. E não é porque a mulher é uma puta que ela não merece o teu respeito. Ela é tua passageira, ela está te pagando, então não tem motivo pra você não ser gentil. Ah, mas o cara é macumbeiro e eu num gosto de macumbeiro. Problema é seu, porra. Você não tem nada… se você num gostar do macumbeiro cê num goste dele do teu carro pra fora. Dentro do teu carro ele é um cliente como todo mundo, e uma pessoa, entendeu?, que está te pagando. Eu gostei disso porque é uma coisa real e a gente volta de novo até pro que eu falei da igreja agora há pouco, você não pode virar pra pessoa, ainda que você, ah, até eu sou cristão, e dizer: olha, eu não gosto de macumbeiro. Cara, eu respeito todo mundo.

De vez em quando entra um cara aqui no meu carro e fala assim Amigo, e eu: pois não, senhor, Ai, eu tô feliz, eu vou casar, aí eu o quê? Só pela vozinha dele eu já sei que o quê? Ele não vai casar com uma mulher. Aí eu: é, isso aí, e ele Poxa, eu queria te perguntar, o senhor acha errado? Eu olho pra ele e falo o quê? Cê tá feliz? Cê tá se sentindo bem? Ah, tô. Então beleza, isso que interessa. Aí a minha mulher fala Porra, eu num acredito, tu vai falar prum gay que vai casar e não fala que ele tá errado? Eu falo: não, eu num falo nada, você já leu a bíblia onde diz que não julgueis para não ser julgado? Nós não tamo aqui pra julgar ninguém, agora, se o cara entrar no meu carro e falar comigo Moço o que que o senhor acha? Eu conheci um rapaz ontem, ele é muito gente boa, eu vou casar com ele, o senhor acha certo? Eu vou falar: não. Pô, mas por que o senhor não acha? Eu vou perguntar pra ele: vem cá, como é que foi pra entrar na Arca de Noé? Entrou dois bois? Entraram dois porcos? Como é que foi? Entrou o quê? Um porco e uma porca. No caso do boi entrou o quê? Um boi e uma vaca. A lebre mesma coisa. Então olha só, desde a época de Noé que Deus já vinha falando que era o homem e a mulher, entendeu?, mas isso você tá me perguntando se é certo, agora, eu julgar você, dizer a você que você está errado nisso? Eu não. Eu jamais. Minha mulher acha que eu tô errado de fazer isso, eu não me acho errado, não. Certo?

Teve uma prostituta que tá na bíblia, pegaram pedras pra tacar nela, e diz que Deus falou, entendeu?, diz que Jesus falou Quem não tiver nenhum pecado que atire a primeira pedra. Quantas pedras acertaram na mulher, cê sabe?

Senhora?

Num sabe? Não, não acertaram nenhuma! Por que não acertaram nenhuma? Porque todos eram pecadores. Gente, então vamos parar com esse negócio de julgar! Cê entendeu? Eu não posso falar se você tá certo, se você tá errado, agora, é óbvio, eu tenho a minha opinião, você tem a sua, entendeu? Como eu vou dar sempre o exemplo de Noé.

Aconteceu um negócio muito engraçado há uns anos atrás, foi quando eu entrei no taxi, eu era meio louco – VIRE À DIREITA PARA A LINHA VERMELHA – eu virava a noite direto, aí eu sábado eu parava de trabalhar, eu virava de sexta pra sábado – EM 4 KM SAIA PARA A DIREITA NA RODOVIA WASHINGTON LUÍS – e sábado pra domingo. Muito bem, quando foi um dia eu tava numa rua que eu não fazia a mínima ideia, que eu não conhecia mesmo, claro, sabia onde eu tava, mas não conhecia por nome de rua, né, eu estava numa rua chamada Farme de Amoedo, cê conhece bem, né?, que que aconteceu? 6 horas da manhã, eu já querendo fazer a última coisa pra embora, as pessoas que ficam lá na noitada todos indo embora, e eu doido pra embora, aí tinha 2 meninas. Beleza. Daqui a pouco as meninas começaram a se despedir eu falei o quê? Falei beleza. Ou eu vou pegar as duas, deixar uma num lugar, depois seguir com a outra, ou eu vou pegar uma e vai vim outro taxi pra levar a outra e vou encerrar com essa corrida. Tava lá tranquilão, parado, do outro lado, só na expectativa, aí as mulheres começaram a se despedir e eu: vamo lá! Daqui a pouco, rapaz… nisso eu era um tanto mais quadrado – CUIDADO, VEÍCULO PARADO NO ACOSTAMENTO À FRENTE – do que eu sou hoje, né, já fui bem mais, tanto pelo fato que eu tô contando agora, né, tô lá parado, as meninas começaram a se despedir. Rapaz, daqui a pouco, a menina tinha duas: uma do cabelo mais comprido, e uma do cabelo mais curtinho. Rapaz, a menina do cabelo curtinho juntou bem na outra menina, esticou a mão assim por trás dela, desceu na menina toda, tascou-lhe um beijo na mulher! Eu fui embora. Fui embora. Vou fazer mais corrida nenhuma não. Entendeu? Mas eu era uma pessoa assim quadrada, entendeu? Eu tenho 43 anos com mente de 80, eu sempre fui assim, entendeu? Mas agora pra mim dane-se, se nêgo quiser transar aí atrás tá tudo certo, só não vai transar aí porque o banco é de pano, vai sujar o carro, entendeu? Não tô nem o quê? Aí.

Outro dia uma mulher falou na minha cara, tinha um casal, peguei na Barra pra levar pra Vargem Pequena (sirene de polícia), caraca, tô vendo a mulher num esfrega com o cara, e o cara esfrega num sei o quê, caraca, daqui a pouco só escuto a mulher Aí moço, desculpa mas não vai dar pra gente aguentar não, vai ter que ser aqui mermo. Virei pra trás, olhei pra cara dela, falei: olha, dá um tempinho aí, tu vai pra onde aqui em Vargem Pequena? Ah, ali na frente tem um canal, não sei o quê, a rua da marmoraria, né, então faz o seguinte, essa rua deve estar há umas 3 quadra daqui, quebra um galho? Espera só 2 minutos, entendeu? Só 2. Vou dar uma acelerada aqui e aí, ó, tranquilão, chega em casa, se acaba lá, sabe?, vão ser feliz, entendeu?, mas aqui dentro do carro não, quebra esse galho. Entendeu? Entendeu? Ah, porra, mermão, ficar de telespectador, acho que não deve ser muito bacana não, entendeu?

Mas isso aí é pessoal, entendeu? Conheço amigo meu que ele já bota e tudo. Acho que é ali no extra, você conhece o extra da Barra? Ali dentro tem uma boate de GLS, aí esse meu amigo faz ponto ali. Aí, rapaz, esse meu amigo pega, tem um dvd igual esse meu aqui, né, grande, de telona, ih, meu amigo ele taca uns DVD de putaria aqui, mermão, e pronto, negunho se acaba! Diz ele que neguinho esquece até aonde vai, entra aí no carro, mermão, e começa um lesco-lesco… Motel móvel? (minha intervenção) É, motel móvel, com certeza! Com direito a, pelo menos na minha época se falava assim, com direito a o quê? Cine privê. Não sei como é que se fala hoje, né, sei lá.

Eu, com 5 anos, quando meu pai me procurava, que eu sumia, né, eu tava na roda dos coroa lá, usava blusa de manga comprida, calça, sapato e meia, né? Aí tava lá na roda querendo saber se a Hillary Clinton realmente vai conseguir, é, ganhar agora do Obama, né, na sucessão… eu queria saber, é, como é que tava a situação do Lula, né, que a do filho dele já foi, né, mas como é que tava a situação do Lula… como é que tava aí, sabe, o quê? É isso aí. 5 anos, tá? 5. Meu pai não me procurava debaixo das mesas não, eu tava o quê? Querendo saber do novo Corola que ficou feio, que perdeu aquela pompa, né, que o Corola tinha, né, aquele carrão, né, e tal, né, conversando aí, né, sobre o quê? As novidades e tal. Isso eu com 5 anos. 5. Imagine agora com 43, né, aí complicou.

Fiquei 20 dias em casa agora que a prefeitura não queria me renovar o cartão. Minha mulher e minha filha tão quase querendo me matar, cê imagine né, cê num deve tá me aguentando mais, cê só tá no carro há meia hora, imagine me aguentar o quê?, 20 dias? Deus me livre, né? Minha mulher mandou até que me ama ontem no whatsapp, 3 dias trabalhando, né? Mandou um coração bonito pra mim pulsando… de longe claro, né? – EM SEGUIDA MANTENHA-SE À DIREITA – aí eu respondi, porque ela mandou assim Ah, tô com saudade, eu disse: não, não se preocupa não, o dinheiro tá em casa, eu vim trabalhar mas o dinheiro tá em casa, ela me chamou de palhaço.

É isso aí, né… a gente vai assim, levando, entendeu?

– SAIA À DIREITA, EM SEGUIDA MANTENHA-SE À DIREITA PARA ACESSO VIA WASHINGTON LUÍS –

– EM 300M, SAIA À DIREITA, EM SEGUIDA MANTENHA-SE À DIREITA –

– SAIA À DIREITA PARA PISTA LATERAL, EM SEGUIDA MANTENHA-SE À DIREITA PARA ACESSO CAXIAS –

– MANTENHA-SE À DIREITA PARA ACESSO CAXIAS –

– EM 2,2KM, VIRE À DIREITA EM RUA MAJOR FRASÃO –

Vim pra outro município é complicado, né?, outro dia vim com minha mulher pra cá mas o GPS errou o caminho, falei pra ela: porra, se informa, pega o quê? Referência. Entendeu? Todo mundo.

 

 

*gravação caseira de celular

música, voz e violão: Luana Carvalho

poema: Alice Sant’Anna

a sombra do avião atravessando
a copa das árvores não carrega ninguém 
que se despeça ou tome chá
água fervida em bule de ágata
na sombra do avião não há quem acorde
com os pés pendurados pra fora do colchão 
não há ninguém que uma vez tenha se assustado
com o sangue do nariz 
colorindo de vermelho a cama
em plena madrugada a sombra do avião
não faz sentir saudade nem pena
nem vontade de ir com ele e cruzar
a copa ou o quarto 
pode apenas olhar pra baixo 
quem vê a sombra do avião 
na copa entre as asas